Perecível ao tempo

Posts Tagged ‘alan berliner

Ailime Kamaia. Não bastava um nome complicado, minha mãe escolheu logo dois para batizar a segunda filha. “Aline? Maia?”. “Não! Ailime Kamaia!” Cansei de repetir a frase, assim como cansei de escutar a pergunta: “Mas o que significa?”.

Então, Ailime vem do francês, deriva de Aimeé e significa amada. Já Kamaia vem do ianomâmi e ainda não descobri o que quer dizer, apesar de já ter pesquisado bastante o significado. Essa é a resposta padrão para a pergunta que tanto escuto, mas com certeza posso alongá-la e completar a explicação.

“Na verdade não era pra eu me chamar Ailime Kamaia, e sim, Arima Kamaia. Arima também é ianomâmi. Mas a minha mãe esqueceu esse nome e em cima da hora lembrou-se do nome de uma modelo francesa, Ailime. Quem acabou com o nome de Arima foi a minha irmã mais nova, Arima Dandara”.

Nesse momento começo a discorrer sobre os significados do nome da minha irmã mais nova, depois pulo para o nome da mais velha, Maria Anahi. Por fim, falo de Rich-Nei (filho), meu irmão. Sim, é uma conversa, que muitas vezes se pretendia introdutória,  termina sendo longa. Mas garante a alegria de muitos ouvintes, posso afirmar.

As pessoas gostam de conhecer tipos com nomes incomuns. Tenho uma amiga que faz questão de pronunciar meu nome completo toda vez que me apresenta a algum conhecido. Ela se vangloria de ter uma colega chamada “Ailime Kamaia”.

—————

Olhares curiosos se voltam para mim quando pronuncio meu nome. Já estou mais do que acostumada a ter que soletrá-lo, a enunciá-lo pausadamente, a ser chamada de Aline ou Maia. Entendo todas essas pessoas, afinal houve um tempo em que nem eu mesma sabia falar Ailime.

Mas o fato de ser um nome um tanto diferente não impede que as pessoas tentem aprende-lo. Tudo é uma questão de hábito. As pessoas se acostumam a falar “Ailime Kamaia”, da mesma forma que se habituam a visitar a sogra. Nenhuma Ana Maria quer ser chamada de Mariana.

Meu nome é parte da minha identidade. Gosto de pensar que sou tão exótica, tão incomum quanto ele. Gosto de ser a única “Ailime Kamaia” porque gosto de me sentir única.

O documentarista Alan Berliner demonstrou a importância que um nome pode ter. Afinal, foi investigando “Alans Berliners” por aí que ele criou o argumento do seu documentário, “O som mais doce”. E o próprio título do audiovisual já deixa claro que não há palavra mais bonita para uma pessoa do que seu próprio nome. Sinais de egocentrismo? Prefiro pensar que não, que sejam sinais de amor-próprio apenas.

Não acho que o nome tenha o poder de determinar a vida de uma pessoa, mas a forma como essa pessoa se relaciona com sua alcunha ajuda a vislumbrar a personalidade dela.

—————

Ahhh. E como costuma acontecer com quem tem nomes compostos “estranhos”, sempre preciso explicar que Kamaia não é sobrenome. É nome, como o Maria, da tal Ana acima mencionada.

É, não é fácil ter um nome singular. É preciso paciência. É preciso aguentar piadinhas sem graça. É preciso soletrar tantas vezes quanto forem necessárias. Porém, é saber que você tem um nome único e que se alguém gritar na rua por você, vai ser só pra você.

Anúncios

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: