Perecível ao tempo

Arquivo do Autor

Hoje quando sai do trabalho vi um garoto bem vestido, sentado na calçada em frente à portaria de um prédio do centro de Curitiba. Ele estava acompanhado. O senhor ao seu lado vestia roupas surrados e estava com um prato cheio de comida. Conversavam e riam. Olhei pros dois e pensei sobre os (prováveis) diferentes estilos de vida que cada um levaria. Imagino que o garoto tenha dado o prato de comida para o senhor, morador de rua. Mas vendo os dois sentados no chão e conversando despreocupados, o que se destacava na cena era a alegria do momento. Nem as circunstâncias da vida de cada um, nem o motivo de aproximação dos dois pareciam ser importantes naquele momento.

Quem transita pelo centro de Curitiba já está acostumado com o som de flautas sendo tocadas nas praças mais movimentadas. Um dia, à caminho do inglês, seis da tarde de um dia nublado, vi duas mulheres dançando na Rui Barbosa. Ao lado, os músicos e a plateia. Fiquei com vontade de abandonar o verbo to be e fazer com que as duas dançarinas passassem a ser três.

O vídeo está no ar há cinco meses, mas só hoje vi. Uma mulher faz com que a espera do ônibus seja mais feliz.

 

 

Bom, esse último caso não aconteceu no Brasil, mas se você fizer uma pesquisa rápida no Youtube, verá que são muitos os dançarinos e dançarinas nas paradas (ou que dançam já dentro do ônibus).

Enfim, todo esse texto pra falar: sempre tem alguém reclamando que falta amor, alegria, compaixão, generosidade e cia. nas grandes cidades, mas talvez o que esteja faltando seja o olhar atento para ver coisas boas acontecendo ao nosso redor.

 

 

 

 

 

Quando toda sua vida parece um drama, uma música triste toca em um dia de chuva e você está chorando dentro de um carro. Então, nesse momento (assim como em todos os outros), a sua vida não é o centro do Universo e Deus não escolheu você para brincar como se fosse um bonequinho vodu. A gente até sabe disso, mas nesses dias de chuva com o rádio ligado, é fácil ignorar que existem outras pessoas (que pessoas?) com seus próprios problemas. Pra dar uma dimensionada no tamanho do seu problema, da sua vida, da existência humana e cia, recomendo esse site: Here is today

 

p.s.: Se você for uma pessoa muito dramática, pode ser que após visitar o site sinta uma melancolia diferente (eu não sou nada, nunca serei nada…) Enfim, não use nenhum tarja preta em ambos os casos.

 

 

 

Nem toda propaganda existe apenas para fazer produtos sumirem das prateleiras. Aliás, é esse tipo de conteúdo publicitário que mais gosto. Estava tentando zerar o meu Feedly quando me deparei com um post dando um exemplo justamente desse tipo de propaganda.

A Polícia Federal Australiana lançou a campanha “The Missing Persons Pre-Roll”, aproveitando os anúncios do Youtube de uma das formas mais criativas já vistas. Naqueles segundos mais odiados pra quem assiste vídeos pelo Youtube, ao invés de aparecer uma propaganda qualquer, você assiste um anúncio sobre alguém desaparecido. Através de geolocalização, eles selecionam os perfis daqueles que foram vistos pela última vez próximos de sua área. No lugar de “pular o anúncio”, aparecem duas opções. Você pode marcar que não viu a pessoa ou avisar que viu e dar mais informações sobre o caso.  Em cinco dias, 238 pessoas ajudaram preenchendo o formulário.

 

 

E pra gente não ficar reclamando que campanhas assim nunca aparecem no Brasil, um ótimo exemplo de como é possível aproveitar qualquer suporte pra colocar a criatividade em ação. A campanha da Hemorio, para incentivar a doação de sangue aproveita a interface do Youtube de uma form diferente.

 

 

E pra fechar o post, outro exemplo bacana vindo da terra dos Cangurus. Aqui, quem encomendou a campanha foi a companhia de Metrô da Austrália. A ideia é alertar para a questão do uso seguro do transporte público, mostrando maneiras idiotas de morrer. Além da animação ser mega colorida e abusar dos traços simples, a canção gruda!

 

 

p.s.: Pra que quiser acompanhar a letra ou ver o que ela significa, só seguir o link!

 

 

 

Ela prefere números, e eu as palavras. Meu lugar preferido é na rua, e o dela em casa. Eu brinco que ela é sensível demais, ela me chama de rude. Somos diferentes em tantas coisas, que às vezes me pergunto: como pode sobreviver essa amizade?

Claro que nem tudo é maravilha. E nem deveria ser, afinal, onde já se viu amizade de toda uma vida resistir sem brigas? E estas não faltaram! Já discutimos tanto, por tantos motivos bobos e até ficamos sem nos falar por alguns anos. Mas o mais importante é que nem foi preciso encontrar um sentido para voltar a conversar. Foi simples, foi necessário apenas nos perdoar.

Dizem que você só conhece bem alguém depois de comer um quilo de sal juntos. Hey, quantos salares medem a nossa amizade?

 

21 anos de brigas e brincadeiras

 

 

 

 

Sim, eu já parei. E quer saber o que eu andei pensando? Que essa história de “já parou pra pensar?” começou a cansar. Desde que a Cris Guerra “descobriu” a frase no finzinho de 2011, muita gente pensou em samplear a blogueira. Se em 2011 a provocação era original, agora virou lugar comum, empobrecendo a propaganda da recrutadora de recursos humanos, e texto de muita blogueira.

Quando a frase “surgiu”, seu propósito era inspirar a reflexão. Agora nem é preciso refletir, já que temos uma legião de pensadores apontando para todas as grandes revelações que ainda não nos demos conta. Dá pra soar de forma mais arrogante?

De tão repetida, logo a frase alcança o status de bordão. E quando repetimos um bordão, a gente faz tudo, menos pensar sobre ele.

 

 

 

Ele gostava dela. Do sorriso, das tiradas cômicas, da vontade de mudar o mundo. E ele sabia que ela gostava dele também. Ela assistia os filmes que detestava, só porque ele amava. Passava o sábado inteiro em casa e deixava a maquiagem e o salto alto de lado (“prefiro você assim, só com a beleza natural”). O sentimento era recíproco, e eles sabiam. Até porque, sempre que podiam se declaravam. E foi por isso que terminaram. Ele fazia as coisas à moda antiga, enquanto ela optava pela tecnologia. Dele vinham os bilhetinhos escondidos no sapato, as flores roubadas de jardins, as cartas entregues na porta de casa pelo carteiro. Ela, mais prática, elogiava qualidades, postava fotos dos dois, dizia que sem ele não viveria… Um amor sem fim, devidamente publicado, curtido e compartilhado.

– E qual era o problema? – o amigo tentou entender.

– Ela gritava ao mundo o quanto me amava, e eu apenas sussurrava. Ela me amava por hashtags, enquanto eu ainda estava no papel.

A gente volta e meia brinca que quando crescer vai querer ser deste ou daquele jeito (mais organizado, menos sedentário, mais estudioso…). A vida passa e quando percebemos já estamos crescidos, mas ainda desejamos ter hábitos diferentes dos atuais. Se sabemos o que queremos, porque simplesmente não mudamos e não passamos a ser da outra maneira?

A culpa provavelmente é da Segunda-Feira, aquela moça milagrosa, capaz de nos entregar a vida que sempre quisemos. Mais exercícios físicos, mais controle da alimentação, mais estudos… tudo fica nas costas da Segunda-Feira. O problema é que geralmente a Segunda-Feira demora a chegar. Pode se ausentar em mais de uma semana. E daí, aquilo que vai mudar a nossa vida fica à espera da milagreira, que nunca vem.

 

O futuro sempre chega a uma velocidade constante de 60 minutos por hora.

(Albert Einstein, cientista alemão)

 

 

Se a vida acontece sempre na mesma constante, porque não começar a materializar hoje mesmo os nossos planos? Recorrendo ao bordão marqueteiro, “a vida é agora“, então melhor começar os exercícios, a dieta, os estudos hoje, mesmo que seja domingo.

 

 

 

Nada que precise ser relatado ao psicólogo, nem choramingado para a mãe, apenas um pequeno drama cotidiano. O montinho de arroz que não se mantém no hashi tempo suficiente para fazer a comida chegar até a boca; a mecha de cabelo que insiste em fugir do lugar, buscando se refugiar sobre o olho; a porta automática que automaticamente barra a sua entrada… as pequenas irritações do dia a dia estão no it’s no biggie. Pequenezas em forma de gifs animados. Além das infelicidades, a alegria singela ao brincar em um trampolim ou fazer um anjo na neve.

 

 

 

 

 

Não sou fanática por futebol, aliás, não assisto jogo nem durante partida da Seleção brasileira na Copa do Mundo. Com as últimas manifestações, vi muita gente criticando o Mundial, querendo que o mega evento de 2014 seja cancelado. Pra mim, tudo isso é bobagem. Agora, em 2013, as pessoas vão querer cancelar um evento que está sendo organizado desde 2009, quando foi divulgada a escolha da FIFA de que o Brasil seria o país sede? Depois do investimento de bilhões de reais, tanto da iniciativa pública quanto privada?

Acho bobagem querer brigar para que a Copa não aconteça, afinal os bilhões que seriam desviados, provavelmente já foram; os elefantes brancos que deveriam ser construídos já estão de pé. Então, ao menos que o Brasil possa receber os estrangeiros e ter o retorno financeiro esperado e prometido desde 2003, quando foi feita a candidatura do país para sediar o evento.

Claro que não dá pra deixar barato as irregularidades cometidas duranta as obras da Copa, por isso devemos cobrar a apuração das denúncias (e foram tantas, desde expulsão de moradores à superfaturamento) e o cumprimento da lei, assim que elas forem confirmadas. Devemos também (especialmente os cariocas) ficar de olho no comitê organizador dos Jogos Olímpicos de 2016, a serem realizados no Rio de Janeiro, e na administração pública, cobrando transparência nos gastos desde já.

E se existem motivos para não querermos outros mega eventos, devemos sinalizar agora para os governos essa vontade. Ao invés de pedir o cancelamento de algo que está prestes a ser realizado, devemos unir forças para evitar a candidatura das cidades e do país como sede de eventos futuros. Na semana passada, enquanto cartazes contra a Copa do Mundo de 2014 eram levantados em todo o Brasil, o prefeito Fernando Haddad e o governador Geraldo Alckmin estavam em Paris defendendo a candidatura de São Paulo para sediar a Expo 2020, terceiro maior evento mundial. Melhor gritar agora: fora Expo 2020, do que esperar 2019 chegar.

 

 

 

Secretamente, crio uma grande expectativa toda vez que entro em um ônibus ou um auditório. Sempre acho que no meio do percurso, ou do espetáculo, alguém pode subir na poltrona e começar a cantar, enquanto ensaia um bailado. Pouco a pouco os demais se levantam e somam vozes, até chegar no refrão, ponto máximo da cantoria e da alegria dos presentes. Às vezes, melhor dos mundos, sou eu quem levanta do nada e começa a murmurar uma canção.

Talvez eu tenha assistido propagandas da Coca Cola demais, mas antes de saber que era possível combinar esse tipo de coisa com as pessoas, sonhava com algo espontâneo e com cara de Sessão da Tarde.

Se um dia o sonho se concretizar, acho que vai tocar Color Esperanza, do Diego Torres. A música começa lenta e vai ganhando um ritmo mais agitado, tem um refrão que cola e é super otimista, ou seja, tem todos os ingredientes de trilha de Sessão da Tarde.

 

P.s.: Desconfie das pessoas que estiverem assistindo um flash mob e não estiverem filmando. Provavelmente elas serão as próximas a começar a cantar/dançar.

 

 


Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

%d blogueiros gostam disto: