Perecível ao tempo

Pelo direito de ser “mal-educada”

Posted on: 23/11/2011

 

O fato de um terço de projetos de leis, votados na Câmara Municipal de Curitiba, se referir à mudança de nomes de ruas é um indicativo de como anda (mal) a situação política do país. O cargo público parece ser visto apenas como um emprego. Porém, diferente de empresas privadas, na política nunca ouvimos falar: “satisfação garantida ou seu voto de volta!” E para piorar o consumidor, ou melhor, eleitor, na maioria das vezes não reclama.

Com um cenário assim precisamos encarar diariamente o descaso dos políticos, que fabricam leis que não serão cumpridas. Um exemplo é o caso das matas ciliares. Garantidas pelo Código Florestal vigente não são respeitadas e não é raro escutar denúncias de irregularidade. Uma proposta de lei feita pelo Ministério Público do Paraná sobre o uso de assentos preferenciais no transporte coletivo deve ter o mesmo destino, a amnésia coletiva. A ideia é que quem estiver sentado em um banco preferencial e não ceder o lugar para idosos e pessoas com deficiência seja multado. O Cadastro de Pessoa Física (CPF) seria o documento  de identificação para aplicar esta multa. Agora pensemos nos problemas desta lei. A frota de ônibus, apenas de Curitiba, conta com quase 2.000 veículos e há promessas de que aumente aproximadamente 30%. Quem fará a fiscalização no transporte coletivo? Se o Estado não consegue suprir a demanda de trâmites, vistorias e aplicação de penalidades já existente, conseguirá responder por uma nova responsabilidade?

Além destas questões, é de se ponderar se os gastos empregados na contratação destes fiscais não seria melhor empregado se fosse investido em educação. Afinal, o princípio de todos os males da sociedade brasileira parece vir daí. Um projeto educativo elucidando o Estatuto do Idoso e a Lei da Acessibilidade poderia ter um efeito mais duradouro. Também seria responsável por esclarecer à população o porquê da necessidade de reservar espaços para estes usuários.

Mas, no Brasil acreditam que tudo se resolve criando uma nova lei. A História mostra que não é assim. Os velhos problemas permanecem e sobrevivem a elas. O caminho é investir na educação e garantir a liberdade dos cidadãos de serem “mal-educados”. Foi assim que as crianças de Curitiba aprenderam a se-pa-rar o lixo e a não jogá-lo na rua, com dois projetos educativos. A “família Folha” e o slogan “Se-pa-re” até hoje são lembrados por muito curitibanos, então, que tal criar um projeto que ao invés de penalizar, eduque?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: