Perecível ao tempo

Olhares suspensos

Posted on: 17/10/2011

Nos olhamos. A aproximação é imediata e inevitável. Quando percebo, nossos corpos já estão numa distância indecorosa. Sinto toda a tensão do momento quando nossos olhos voltam a se encontrar. O dia não está quente, mas sinto ondas de calor. Seca, é assim que minha boca está. Estamos tão perto, parecemos contrariar a lei da Física. Agora ocupamos o mesmo espaço.

Olho para os lados, para baixo, para trás, para o céu, só não consigo voltar a encarar aquele olhar. Nossos corpos colidem, se tocam e voltam a se distanciar. E entre nós dois, o silêncio. A energia é tanta que a fala se faz dispensável. Tento interromper o momento, quebrar o que nos mantém tão próximos. Não consigo. Mil assuntos passam pela minha cabeça, quero falar algo. Esforço em vão, não existe o que falar. Mais silêncio. Mais toques. Há um ritmo que não se pode impedir, nossos corpos se afastam e se aproximam seguindo este compasso.

Decisão: me afasto ou o agarro! Me afasto. E volto a me chocar em seu corpo. Sim, é realmente inútil tentar a separação. Me convenço, devemos ficar assim, até o fim. Tento me movimentar, minhas mãos tocam as suas. Volto a me mexer, meu joelho bate em sua perna. Desisto, ficarei imóvel!

Uma novidade, sinto a presença de outro corpo. Me viro e confiro uma mulher estonteante. Ela se coloca entre nós. Me sinto traída. Quero sair dali, não vou ser testemunha disso. Mas ir pra onde? Não há pra onde ir. Se não há como fugir, vou medir minha oponente. Da cabeça aos pés a reviro com o olhar. Noto que sua camisa está amarrotada, a tintura de cabelo está desbotando e o comprimento de sua saia não parece “adequado”. Volto a me sentir superior. De novo sou a fêmea alfa do bando. Bando? Só agora percebo que há um bando a nossa volta, ameaçando minha soberania.

É hora de concentrar minhas atenções no alvo, nem preciso fazer muito esforço e já estamos nos aproximando novamente. Como numa mágica ou no final feliz de um conto de fadas, a minha principal oponente desaparece. Sei que a distância que nos separa é tão pequena que ele não pode pensar em outra pessoa a não ser em mim. Quase fecho os meus braços em torno do seu corpo, quase o tomo pra mim. Não quero parecer insegura, nem agressiva demais. É preciso paciência, progredir pouco a pouco, mas nesse bailado de passos lentos não saio do lugar.

“Me afasto ou o agarro?” Nada, não faço nada. Não há espaço para ações, minhas decisões de nada valem. Sinto que as minhas interrogações são as dele também. Um olhar. Sinto os olhos dele comendo os meus, suas mãos se aproximam das minhas, seu corpo cada vez mais perto do meu… Uma força abrupta nos separa. Como se estivéssemos no meio de uma manada desembestada, já não há mais o que fazer. Uma parede de vidro entre nós. Suspiro ao ver a distância aumentar. “Próxima parada estação Praça Rui Barbosa”. É. Acaba assim mais um dos meus amores passageiros, às seis da tarde de uma quinta-feira ensolarada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: